Go ahead, punk. Make my day.

Resumo (22 a 28 nov)

misery-posterLouca Obsessão* (Misery, 1990). De Rob Reiner

Um filme que trabalha com o mínimo e obtém o máximo. A trama é simples: escritor famoso sofre acidente de carro grave e é resgatado por uma fã – “a número um”. Com várias fraturas, ele recebe cuidados dela, uma enfermeira. Logo vai perceber que as intenções de Annie é mantê-lo ali o maior tempo possível. Não há fotografia escura, sustos, nem trilha sonora pesada ou qualquer outro subterfúgio para transformar a situação num pesadelo. Por si só, a loucura da interpretação impecável de Kathy Bates vale mais que qualquer truque. Obcecada e instável, faz de tremer durante seus arroubos, chegando ao clímax quando, munida de uma marreta, apenas sublinha perversamente que o escritor (James Caan, ótimo) não terá qualquer chance. Rob Reiner ganha muitos pontos ao ser realista e evitar soluções fáceis, colocando na tela apenas com uma simples camisa suada toda a dificuldade que o personagem de Caan tem para tentar uma escapada. E como é cansativo vê-lo preso àquela cama, olhando sua algoz sempre de um ponto mais baixo do plano. Menos é mais mesmo. Nota: 8,5 

Clash of the Titans_1981 posterFúria de Titãs (Clash of the Titans, 1981). De Desmond Davis

Não é possível dizer que Fúria de Titãs tenha envelhecido da melhor forma possível, da mesma forma que não se pode ignorar o encantamento da maior parte das criaturas criadas em stop motion por Ray Harryhausen. Se o vôo da gaivota logo nos primeiros minutos do longa não é dos melhores, toda a seqüência no covil da Medusa ainda é um dos pontos altos da tecnologia empregada para a criação da titã. Tensa, bizarra e criativa, a batalha entre ela e Perseu mostra como os efeitos visuais da época podem ser eficientes. Pena que a primeira metade do longa seja confusa e de ritmo truncado, em demérito do próprio herói, que perde em profundidade, sendo guiado apenas pelo sentimento por Andrômeda – e certo egoísmo, com o intuito de se tornar rei. Quando engrena, no entanto, o filme passa a prender mais a atenção, principalmente ao focar a vingança de Calibos, único personagem que tem motivação real e se mostra tridimensional – mimado, ele busca vingança contra os deuses por ter se tornado uma criatura horrorosa. Nota: 7

Percy Jackson posterPercy Jackson e o Ladrão de Raios (Percy Jackson & the Olympians: The Lightning Thief, 2010). De Chris Columbus

Tudo bem que o filme é uma diversão sem grandes pretensões – a não ser a de virar uma série de sucesso no Cinema -, mas a falta de cuidado com o roteiro do longa assusta. A trama versa sobre o filho de Poseidon, Percy, que descobre ser um semideus depois da acusação de que ele teria roubado o raio-mestre de Zeus. Os motivos dele estar sendo acusado em momento algum são postos em cena. Ao invés disso, a narrativa segue o resgate da mãe do protagonista. É fácil perceber os truques do roteiro para esconder (mal) quem seria o tal ladrão. Sem querer estragar o final, mas a quantidade limitada de personagens importantes e a ênfase em buscar características positivas em um dos coadjuvantes logo dão idéia de quem será o “mão-grande”. Ainda que tenha bons efeitos visuais e use bem a trilha sonora incidental (de Lady Gaga a AC/DC), O Ladrão de Raios não dá qualquer profundidade aos personagens para que a história caminhe em ritmo acelerado. Investindo numa dinâmica entre os três personagens principais que lembra e muito a vista em Harry Potter (a menina aplicada, o amigo engraçadinho e o protagonista escolhido), o filme chega a seu final com alguns absurdos – Como é, padrasto fedido para esconder o cheiro de Percy? O Olimpo está em peso nos Estados Unidos? -, envolto de diversão rápida e inofensiva. Só espero não atingir sua pretensão e ganhar continuações. Nota: 6

*Filme visto pela primeira vez

Anúncios

5 responses

  1. Rafael de Almeida

    O Ladrão de Raios realmente é fraco. Fica pior quando comparado ao livro, adaptação horrível.

    29 de Novembro de 2010 às 1:58 PM

    • Filme bobo. Quer divertir, mas acaba irritando

      29 de Novembro de 2010 às 2:06 PM

  2. Pingback: Tweets that mention Resmo (22 a 28 nov) « Cinefilia -- Topsy.com

  3. Pingback: Crítica: Imortais « Cinefilia

  4. Pingback: Crítica: Fúria de Titãs 2 « Cinefilia

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s