Go ahead, punk. Make my day.

Um cara chamado Oscar e a fruta sarcástica

E assim eu falei, dez dias antes da entrega do Oscar…

poster_oscar00

O mais desejado, o mais odiado. Pouca gente sabe, mas a premiação dada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, o Oscar, na verdade se chama Academy Awards – ou no aportuguesado Prêmio de Mérito da Academia. Já a origem do apelido deve ser conhecida por alguns. Bette Davis, ao ver a estatueta, disse que ela se parecia muito com seu primeiro marido, um sujeito chamado Oscar algum coisa. Ficou.

Mas origens à parte (ou não), a polêmica da vez está no ultra elogiado trabalho do cineasta Christopher Nolan em … errr… A Origem. Apesar das oito indicações à premiação deste ano, o filme não viu seu diretor figurar entre os melhores do ano, segundo a Academia. Ruim? Ô! Surpresa? Humm… Nem tanto. Depois que O Cavaleiro das Trevas foi limado da lista de indicados a Melhor Filme de 2008, o “esquecimento” desta vez pode ser um recado de que tem algo errado na relação entre o cineasta e a Academia (leia-se implicância). Mas guardem a fúria fãs. Guardem para 27 de fevereiro. Se o longa-metragem não levar para casa a estatueta de Melhor Roteiro Original, aí sim será a deixa para que o Coringa que você esconde sorria psicoticamente. Afinal, se A Origem não for considerada a narrativa mais inventiva da temporada é hora de fechar o boteco, ou melhor, jogar a pipoca no lixo.

Disputando 12 e 10 prêmios respectivamente, os campeões de indicações de 2011 foram O Discurso do Rei e Bravura Indômita – refilmagem dos Irmãos Coen que deveria receber um prêmio apenas pelo pomposo título. Como é? Se a fartura de indicações é garantia de prêmios? Nem sempre. Há dois anos, O Curioso Caso de Benjamin Button recebeu mais de uma dúzia de nomeações (exatas 13) e ficou com apenas três prêmios técnicos.

Contudo, não vou fazer previsões por aqui. Sou péssimo nisso. Mas se você quer acompanhar e fazer sua lista, a dica é ficar de olho nas premiações dos sindicatos: de atores, roteiristas, diretores, produtores, etc. Acima de qualquer outro “termômetro”, eles são os mais confiáveis para saber quem pode levar um “oscarito” para casa. O motivo é simples: a maior parte do eleitores das associações também marcam o ‘X’ no indicado ao Oscar favorito. E quer saber quem já saiu na frente? Natalie Portman, por Cisne Negro, Colin Firth, por O Discurso do Rei, e Christian Bale e Melissa Leo, ambos por O Vencedor. Todos premiados pelo SAG – Screen Actors Guild, o Sindicato dos Atores dos Estados Unidos. Com esse reconhecimento já devem ter começado a rascunhar aquele famoso agradecimento. “Obrigado Academia, obrigado fulano, obrigado beltrano” e música apressando o emocionado vencedor.

O Framboesa
Todavia, se você não ficar satisfeito com os escolhidos da Academia, como bem lembrou meu amigo Gilberto Almeida (ou @Gillberto), ao contrário do Oscar, o Framboesa de Ouro nunca comete injustiça. Vindo de um jurista cinéfilo, quem sou eu para dizer que ele está errado? Ainda mais depois das risadas que dei da categoria criada especialmente para tempos de películas tridimensionais. Fúria de Titãs, O Último Mestre do Ar, Como Cães e Gatos 2, Jogos Mortais – O Final e Nutcracker 3D concorrem como Pior 3D de Arrancar os Olhos. E aqui vai uma opinião: se Alice no País das Maravilhas não foi considerado um dos piores 3D do ano, os cinco indicados deveriam vir com o aviso: “Cuidado, certamente você terá náusea”.

Para quem não sabe, o Framboesa de Ouro é uma grande brincadeira que premia as maiores bombas do cinema norte-americano. Criado em 1980, este ano tem na liderança das indicações os vampiros e lobos de A Saga Crepúsculo: Eclipse e O Último Mestre do Ar, com nove nomeações de pior alguma coisa. Além deles, Caçador de Recompensas, Sex and the City 2 e Os Vampiros que se Mordam correm para as colinas para não receberem o prêmio de Pior Filme de 2010. Um deleite para os detratores. E se você acha que o Framboesa é odiado por todos, saiba que gente como Halle Berry, por Mulher-Gato, o diretor Paul Verhoven, por Showgirls, e Sandra Bullock, por Maluca Paixão, foram até a festa de “premiação”, receberam suas respectivas framboesas e ainda discursaram. No caso de Sandra, na noite seguinte ela esteve em outro palco. Dessa vez para agradecer ao Oscar de Melhor Atriz por Um Sonho Possível. Ironia fina.

*Texto originalmente publicado na Resvista Meio & Midia CULT em 17 de fevereiro de 2011

razzie

O mais desejado, o mais odiado. Pouca gente sabe, mas a premiação dada pela Academia de Artes e Ciências Cinematográficas, o Oscar, na verdade se chama Academy Awards – ou no aportuguesado Prêmio de Mérito da Academia. Já a origem do apelido deve ser conhecida por alguns. Bette Davis, ao ver a estatueta, disse que ela se parecia muito com seu primeiro marido, um sujeito chamado Oscar algum coisa. Ficou.

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s