Go ahead, punk. Make my day.

Crítica: O Preço do Amanhã

intime_01Para assistir a O Preço do Amanhã (In Time, EUA, 2011) é preciso aceitar o fato de que a sociedade deixou de trabalhar por dinheiro, a moeda corrente é o tempo. As pessoas não envelhecem mais, até os 25 anos qualquer um vive normalmente, a partir daí todos têm apenas mais um ano, precisando se virar para ganhar mais tempo de vida e manter a eterna juventude.

É contraditório (e interessante) e exige um bocado da imaginação da plateia, o que pode não ajudar na imersão na narrativa. O que até poderia desculpar a artificialidade das primeiras cenas nas quais o personagem de Justin Timberlake, Will Salas, é apresentado e forçado pelo roteiro a “ensinar” aos espectadores como é possível trocar tempo com outras pessoas com apenas um toque dos braços. O que se contrapõe a outra solução mais prática e cinematográfica, vista no minuto anterior, na qual a câmera se afasta de um ambiente indistinto que se revela sendo a pele de alguém com um relógio em contagem regressiva gravado em seu braço.

O longa é apresentado do ponto de vista de Will, um assalariado que é procurado pela polícia depois de receber uma grande quantidade de tempo de um homem que já viveu mais de 100 anos e não sabe o que fazer com o imenso tempo que ainda lhe resta. Depressivo e cheio de questionamentos sobre uma possível vida eterna ele se suicida o que, claro, aponta o protagonista como suspeito de assassinato.

Justin-Timberlake-In-Time

Apesar de não muito original, os problemas da produção se tornam realmente preocupantes, a partir do momento em que Will resolve ir até o bairro rico isolado para “lutar contra o sistema”, o que indicaria uma boa versão da vingança de O Conde de Monte Cristo. Mas a trama fica só na intenção, logo a ideia se transforma num romance com a filha de um banqueiro do tempo (Sylvya, Amanda Seyfried) e numa fuga. No meio do caminho, o roteiro volta com a ideia da sabotagem, mas ai a sutileza já deu lugar à ação.

Pena, pois tecnicamente O Preço do Amanhã é problemático, vide montagem. O maior exemplo é a dança entre Timberlake e Amanda. Mostrada em vários ângulos, a coreografia e os diálogos deveriam fluir, contudo a junção dos takes para cada enquadramento é desastrosa, sendo perceptível o exato momento em que a cena foi cortada no estúdio. Só faltou o ouvir o diretor, Andrew Niccol gritar “corta!”. Também é sofrível o momento em que um importante personagem morre no braços de Will devido à falta de tempo. Tudo por causa das rápidas elipses empregadas, as quais simplesmente impossibilitam perceber a passagem das duas horas que restam a essa pessoa e, assim, imergir no sofrimento dela.

Some a isso a direção burocrática e a trilha sonora que lembra os piores acordes de novelas e temos um fuzilamento às qualidades do filme, seja a fotografia que vai do ensolarado ao frio, variando de acordo com cada situação, ao desperdício de um Cillian Murphy que tenta dar dignidade ao policial que vive. Pobre Amanda Seyfried, linda, mas que teve de rebolar para conseguir fazer a plateia tirar o olho da evidente peruca que usa.

Nota: 5

Amanda-Seyfried-In-Time

5 responses

  1. Aleishow

    Ai, achei tão maaaaaaaassa! Como você anda miserável com suas notas, hein?! rsrs

    Curiosidade: tem crítica de O Conde de Monte Cristo no antigo Cinefilia?

    24 de Dezembro de 2011 às 9:22 PM

    • Filme fraco, ué, por isso os 5.

      24 de Dezembro de 2011 às 9:24 PM

  2. Sobre O Conde de Monte Cristo, falei aqui, lá embaixo http://blogcinefilia.zip.net/arch2008-01-13_2008-01-19.html

    24 de Dezembro de 2011 às 9:30 PM

  3. Thayane

    Olá

    Já que tocou no assunto, qual o nome da música que o Justin e a Amanda dançam? Obrigada!
    thaypog@gmail.com

    24 de Janeiro de 2012 às 7:19 PM

    • Sinceramente, não sei…

      25 de Janeiro de 2012 às 1:00 AM

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s