Go ahead, punk. Make my day.

Resumo (25 fev a 3 mar)

yellow_seaThe Yellow Sea* (Hwanghae, 2010). De Hong-jin Na

O problema desse filme é também sua maior qualidade: complexidade. Ao mesmo tempo que The Yellow Sea tem uma trama intrincada, o fator drama eleva a história a outro nível além do thriller por si só. Sim, há muita correria, tensão e suspense, mas também há um personagem que desperta interesse. Gu-nam vive na China e quer voltar para a Coreia do Sul para conseguir viver melhor e rever sua mulher, que não manda notícias. As lembranças dela o atormentam e, desesperado, aceita matar uma pessoa na capital sulcoreana para ter tempo de procurar a esposa e ainda faturar algum dinheiro. Ele entra, então, para o submundo da omigração ilegal, o que, obviamente, o levará a lugares ainda mais obscuros. A produção mostra as dificuldades que isso resulta: viagens sujas e cansativas. Enquanto isso, os mistérios do roteiro se sobrepõem em meio a cenas de ação competentes, mas o filme sofre com o excesso de personagens e de história. Com quase 160 minutos, não é difícil se perder no emaranhado de interesses e na apresentação de novas pessoas envolvidas com a morte de um professor de judô. Facilmente, The Yellow Sea poderia ter 20 ou 30 minutos a menos, mas esse labirinto da trama reserva um protagonista que sofre, tem motivação melancólica e se mete em um mundo do qual não fazia ideia. Era para ser um verdadeiro bode expiatório, mas se transforma num sobrevivente e tem destino inesperado. É esse drama que salva a produção da monotonia, enquanto você tenta acompanhar os milhares de caminhos que ele vai seguindo. Nota: 7,5

Insidious-posterSobrenatural* (Insidious, 2010). De James Wan

A impressão que se tem ao assistir a esse filme é que James Wan e Leigh Whannell (a dupla por trás de Jogos Mortais) quiseram fazer seu próprio Poltergeist. Mas para simplesmente não copiarem o conceito fantasmagórico do longa de Tobe Hooper, investiram numa trama que fala sobre projeções astrais e acrescentaram uma boa quantidade de sustos até que a verdadeira face do longa surge. E ela tem um rosto vermelho e preto que parece mais uma cópia estilo bicho-papão de Darth Maul, de Episódio I – A Ameaça Fantasma. E depois de vários minutos investidos em um tom mais sério, Sobrenatural pega a veia de Poltergeist – que claramente tinha uma pegada mais bem-humorada, mesmo sem perder as raízes terroríficas. O problema na produção de James Wan é que esse tom bem-humorado chega a um ápice, no terço final, que parece saído da cabeça de um moleque de 12 anos ainda assustado com seus pesadelos de infância. A cena em que Patrick Wilson tenta salvar o filho da tal figura rubro-negra chegou a me lembrar A Lenda, de Ridley Scott, (só que um pouco mais sombria) tamanha a afetação do esconderijo do bicho. Fora que Wilson nunca foi tão canastrão quanto demonstrando medo. De resto, o que sobra é uma trilha sonora verdadeiramente assustadora, mesmo que nada original. Afinal, ela é cheia dos acordes em volume máximo que nos leva a pular da cadeira quando figuras sinistras rondam os protagonistas do longa. Aliás, deixe-me voltar a falar de atuação, apenas para lembrar que Rose Byrne tem uma única missão nos mais de 100 minutos do longa: fazer cara de choro. Enquanto a boa presença de Lin Shaye é desperdiçada com diálogos que não passam de explicações e frases como “siga minha voz” e “você é mais forte” (ou algo do tipo). Mais uma coisa: em todos o filmes de Wan, ele vai colocar a figura de Jigsaw escondida em algum lugar? Repare num quadro negro do longa. Nota: 5

The-Book-of-Eli-PosterO Livro de Eli (The Book of Eli, 2010). De The Hughes Brothers

Você pode se impressionar com as explosões e efeitos visuais apurados de um Transformers, afinal, fazer filmes de ação é tarefa corriqueira para Hollywood, que normalmente aposta no espetáculo para faturar alto. Entretanto é sempre interessante perceber quando alguém busca dar nova forma para o que parece intocável. O Livro de Eli não é uma revolução e nem chega a ser um primor, porém é o que se pode chamar de filme de ação com algo a mais. Os aspectos técnicos de primeira estão lá. O som é poderoso. Os efeitos especiais também fazem bonito. Figurino e direção de arte são milimetricamente estudados, mesmo feitos para serem de ruínas. Mas o filme dirigido pelos irmãos Hughes (Albert e Allen) vai além da diversão descerebrada. A história é simples: num planeta Terra pós-apocalíptico, Eli tem a missão de guardar e levar uma importante escritura para o Oeste. Entre uma briga e outra para manter a salvo o tal livro, ele encontra pela caminho Carnegie, o único que sabe o real valor do que está naquelas páginas. Mais simples impossível, como nos bons filmes de ação. Mas eis que do solo cinzento das paisagens do longa e das mangas dos Hughes e do roteirista Gary Whitta surgem algumas interessantes mensagens sobre controle de massas e fé. Não é nenhum segredo que Eli carrega uma bíblia e menos ainda o poder que a religião tem sobre as pessoas. É atrás desse poder que Carnegie vai, em meio sociedade devastada não só materialmente, como também de conhecimento. E para que a produção não pareça uma pregação só, sutilmente ela faz pensar: a fé pela fé pode ser perigosa, é preciso um moderador, justamente o conhecimento que falta a todos aqueles homens e mulheres alvos de  Carnegie. Claro que para dar liga a esse questionamento, o longa não usa de papos cabeça ou formas inovadoras, trabalha com o que de melhor Hollywood tem para hipnotizar plateias. E até aí há diferencial. Não há como negar que Albert e Allen são sujeitos criativos, sabem como manipular a câmera para pôr na tela cenas incríveis como uma luta de facão em silhueta ou um plano-sequência no qual uma metralhadora arrasa uma casa. Não se pode mesmo dizer que O Livro de Eli é apenas mais um filme de ação. Afinal, não é toda hora que se tem no elenco desse gênero dois pesos pesados como Denzel Washington e Gary Oldman. O primeiro dando densidade e verdade às angústias do personagem título, além de convencer como herói. O segundo deixando seu lado insano, mas inteligente fruir, como se fosse um Zorg – o vilão de O Quinto Elemento – melhorado e (quase) nada kitsch. Você sabe, para fazer Comando para Matar ou Predador, o velho e bom Schwarza tinha os músculos. Para O Livro de Eli era preciso um pouco mais. Denzel e Gary foram bons porta-vozes. Nota: 8

*Filme assistido pela primeira vez

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s