Go ahead, punk. Make my day.

Resumo (9 jun a 6 jul)

Bling Ring posterBling Ring – A Gangue de Hollywood* (The Bling Ring). De Sofia Coppola

Contando a história real de um bando de meninos entendiados demais em sua riqueza que resolvem invadir casas de celebridades e saqueá-las, o filme tem aquele tom bem característico de Sofia Coppola, com cenas sobre a juventude sem motivação e solitária. A mistura disso é a inconsequente pilhagem e o modo de vida desregrado do grupo. Sem moralismo, Sofia demonstra como a situação seduz, mas também leva à ruína a gangue, não só por meio da história que terminou nas mãos da polícia, mas também em como os “companheiros” acabam se digladiando e empurrando a culpa uns para os outros. O personagem de Israel Broussard, Marc, é o melhor exemplo. Ao mesmo tempo que consegue se inserir em um grupo, termina em um tribunal ao lado da suposta melhor amiga, que passa a desprezá-lo. Usando uma iluminação brilhante em contradição com o tipo de melancolia daquela situação, Bling Ring ainda é dirigido com gosto por Coppola – repare como ela articula, a certa altura, uma invasão filmada de longe em que podemos ver perfeitamente a movimentação dos jovens em tomada única, cheia de sons da cidade que ajudam a esconder o delito. Nota: 8

Sobrenatural - capitulo 2 posterSobrenatural – Capítulo 2* (Insidious – Chapter 2, 2013). De James Wan

Reduzindo o humor involuntário, mas mantendo as atuações quase pífias de seus protagonistas (Patrick Wilson, Rose Byrne e Ty Simpkins), essa continuação do terror de 2010 até gera certa expectativa, mas ela acontece muito porque o roteiro vai segurando revelações e as soltando aos poucos. O que não ajuda muito, já que elas não causam impacto. Fora que a direção tem uma preguiça (ou falta de criatividade) que impressiona. Seja em repetir o uso de uma babá eletrônica como forma de causar medo ou em simplesmente esconder uma criatura de um personagem para revelá-la em um corte rápido buscando assustar plateia (sem sucesso). Se o primeiro Sobrenatural tentou ser o Poltergeist dessa geração, aqui ele dá um jeito de tangenciar O Iluminado, mas o que consegue é uma cena que beira o surreal (no mau sentido): no meio de um ataque de loucura do pai, o roteiro de Leigh Whannell determina que Simpkins deite e durma como forma de resolver a situação. Imagino que dormir seria a última coisa que alguém conseguiria com um desequilibrado lhe caçando. Nota: 5

Planeta dos Macacos - A Origem posterPlaneta dos Macacos* – A Origem (Rise of the Planet of the Apes, 2011). De Rupert Wyatt

A proposta desse prequel é interessante: atualizar as origens de O Planeta dos Macacos e propor um novo início para a história que uma dia foi gerada por uma hecatombe nuclear e abriu espaço para a evolução dos símios. Pena que a mania de criação de continuações e mais continuações no sentido de se traçar uma história e levantar dinheiro, fez de Hollywood uma tremenda chatice, com muitos de seus filmes transformados em grandes chicletes que se esticam. Se houvesse mesmo uma ótima trama contada aqui eu me calava, mas o fato é que o bom personagem César, vivido sob efeitos visuais por Andy Serkis, nem tem tanta profundidade assim – ainda que seja carismático e ganhe peso. O problema é que o roteiro se limita a criar situações clichês para que o símio superinteligente, criado a partir da manipulação genética, tome raiva dos humanos. Aliás, pelos inúmeros estereótipos na tela, até você vai querer se revoltar. Daí, como o filme não pode contar toda a história, para que sejam geradas continuações, ele cria um tipo de clímax na ponte Golden Gate e deixa que saibamos o que realmente aconteceu até chegarmos no Planeta dos Macacos original para as sequências que estão por vir. Nota: 6

Planeta dos Macacos poster 1968Planeta dos Macacos (Planet  of the Apes, 1968). De Franklin J. Schaffner

Um filme de ação, uma ficção-científica instigante, um bom debate sobre humanidade. De 1968 pra cá, é bem verdade que uma coisa ou outra nessa produção já ficou datada, mas a realidade é que a mensagem sobre a arrogância do homem e o tema antiarmamentista comentam muito bem a Guerra Fria vivida pelo mundo quando do lançamento de Planeta dos Macacos. As boas discussões filosóficas, disfarçadas de juridiquês, que ainda abarcam um toque de religião, mostram que os personagens aqui não estão em cena apenas para serem objetos de uma trama, ajudam no debate e mostram que para tudo há um limite, seja em agir seja em dar alguns passos atrás. Fica no ar a pergunta se a ignorância é o melhor para se evitar a dor. No mais, dá pra curtir boas cenas de ação, algumas falas memoráveis e um final ainda hoje poderoso. Nota: 8,5

Advogado do Diabo posterAdvogado do Diabo (The Devil’s Advocate, 1997). De Taylor Hackford

Falar desse, para mim, é um prazer e uma forma de dar bala aos detratores, pois aqui está o filme da minha vida. Sendo assim, qualquer opinião pode ser tratada como “pessoal demais”. É aqui que entendo o louvor incondicional das crepusculetes. Brincadeira. De qualquer forma, a meu favor tenho uma atuação monstruosa (em vários sentidos) de Al Pacino, a qual me pergunto o motivo de não ter ganhado qualquer prêmio de expressividade. Tenho também um roteiro inteligente que não tenta esconder muita coisa, mas que ainda reserva uma surpresinha e tira da manga monólogos fenomenais reservados para Pacino. Algo que a montagem, em paralelo, dá vida sem ser redundante – vide Eddie Barzoon. Isso e ainda diálogos espertos fascinantes pela inteligência e dinâmica entre os atores na sequência final no apartamento de Milton. Quer mais? A trilha sonora de James Newton Howard foi tão inspirada em poucas ocasiões, assim como a direção de arte e a fotografia aqui são extremamente sofisticadas, amplificando as mudanças pelas quais o casal vivido por Keanu Reeves e Charlize Theron passam, saindo da cidade do interior para a babilônica Nova York. Repare como a arquitetura e a decoração dos ambientes são requintadas e a fotografia meio fria, em tons azulados e acinzentados, criam clima. E é ótimo ver momentos em que o vermelho que acompanha John Milton contrasta com tudo isso. O longa é uma adaptação do livro de Andrew Neiderman, cujo desfecho é irônico o suficiente para deixar uma música boa por si só, como “Paint It Black”, dos Rolling Stones, ainda melhor. Como não poderia deixar de ser: Nota 10

*Texto escrito em janeiro de 2013

Gatinhas e Gatões posterGatinhas e Gatões (Sixteen Candles, 1984). De John Hughes

Ainda que seja um tanto quanto machista sobre a figura da namorada do garanhão do filme, que se torna prêmio de consolação ao azarão que passa o tempo cheio de esforços, Gatinhas e Gatões é daqueles filmes que te botam um sorrisão na cara do primeiro ao último minuto e ainda consegue ser romântico em meio a tanta piada e zombaria. E o melhor: mesmo com um final manjado, o caminho até lá não é tão óbvio assim. A começar pelos personagens, já que a mocinha que não é tão coitadinha assim (vide o leve egoísmo da moça que cobra atenção do mundo em meio a um zilhão de acontecimentos importantes em casa) e o nerd até é um cara descolado, ainda que receba insistente negativas em suas investidas amorosas. Isso sem contar que o galã não é um cara metido a besta e se mostra realmente interessado em um relacionamento. Ponto para John Hughes, que estreou aqui uma carreira como diretor que trouxe clássicos como O Clube dos Cinco e Curtindo a Vida Adoidado. Nota: 8,5

*Filme assistido pela primeira vez

Anúncios

Deixe uma Resposta

Preencha os seus detalhes abaixo ou clique num ícone para iniciar sessão:

Logótipo da WordPress.com

Está a comentar usando a sua conta WordPress.com Terminar Sessão / Alterar )

Imagem do Twitter

Está a comentar usando a sua conta Twitter Terminar Sessão / Alterar )

Facebook photo

Está a comentar usando a sua conta Facebook Terminar Sessão / Alterar )

Google+ photo

Está a comentar usando a sua conta Google+ Terminar Sessão / Alterar )

Connecting to %s