Go ahead, punk. Make my day.

Posts tagged “Lost in Translation

Scarlett Johansson faz 28 anos + Encontros e Desencontros

Hoje, Scarlett Johansson completa 28 anos e para homenagear aquela que, pra mim, é a mais bela atriz de todos os tempos, republico um texto sobre o filme Encontros e Desencontros, de 2003. Foi por causa dele que me apaixonei pela loira. Vale ressaltar: ela não é só um belo rosto, ainda que tenha feito algumas besteirinhas (Esqueceram de Mim 3), já foi digna de prêmios em duas ocasiões, pelo menos, como no próprio Encontros e Desencontros e Match Point.

Então, parabéns Scarlett.

sj-gif

Distanciamento é tema da vida 

Quantos filmes falam sobre a solidão? Centenas, certo? Então vou me ater ao que tenho em minha cabeça nesse momento, Encontros e Desencontros, de Sofia Coppola. A história da garota separada afetivamente de seu marido e que encontra um velho ator também longe de sua esposa é de arrepiar qualquer um em suas cenas mais sutis. Até mesmo a trilha sonora joga com essa solidão que parece ter encontrado um fim – ou uma pausa pelo menos. Da mesma forma que Charlotte e Bob Harris se tornam base um para o outro, fazendo de sua melancolia uma ligação terna, músicas como “Girls“, do grupo Death in Vegas, usada na abertura do longa, inicia-se em tons obscuros e vai ganhando força, paixão e volume até seu ápice. Aliás, o clímax de Encontros e Desencontros é marcado por “Just Like Honey”, do Jesus and Mary Chain, de maneira desconcertante. Do nada você se pega com lágrimas pelo rosto. Às vezes até sem entender muito bem o motivo.

Coppola lança mão de uma sutileza incrível, criando situações de riso e choro, momentos de pena e raiva. Quando Charlotte lança seu olhar para Bob durante um karaokê, não é necessário que se diga nada, da mesma maneira que em hora alguma escutamos uma declaração de amor daquelas açucaradas ou escandalosas. A câmera se encarrega de desnudar os sentimentos dos personagens. O marido fotógrafo de Charlotte quase não é visto durante a película, o que traz a dimensão da falta que ele faz à garota. Já da esposa de Harris só é conhecida a voz, através das inúmeras ligações que ela faz ao ator, sempre preocupada com coisas rotineiras e rasas. O fato de ainda se ter contato com a imagem de John – o cônjuge – e não de Lídia – a cônjuge – pode ser interpretado como os anos de distanciamento em que Bob vive e um possível futuro para Charlotte.

Ela está sempre só, explorando algum lugar novo. Ele anda acompanhado apenas de sua antiga fama. Quando se juntam, conseguem sorrisos mútuos. E no abraço dado no corredor de uma boate, mais uma vez, em silêncio, parecem gritar por socorro. Não existe nada carnal entre os personagens e quando Bob sucumbe ao desejo por uma cantora de jazz, uma conversa aguda durante o almoço soa como tapas nos rostos de ambos. Traição não é termo a ser usado. Talvez medo. Temem, quem sabe, um fim precoce.

E a câmera que acompanha de forma tão intrusiva o que se passa com aquelas duas pessoas solitárias o filme todo, nos minutos derradeiros simplesmente ignora o que Harris diz ao ouvido de Charlotte. Certos momentos são íntimos demais para serem revelados.

 Scarlett

Anúncios